Início / Conteúdo / Criminosos usam explosivo em ponte e incendeiam carros no 12º dia de ataques no Ceará

Criminosos usam explosivo em ponte e incendeiam carros no 12º dia de ataques no Ceará

Membros de facções criminosas voltaram a cometer ataques no Ceará na madrugada deste domingo (13) na tentativa de fazer com que o estado recue de medidas que tornam mais rigorosa a fiscalização nas penitenciárias.

No 12º dia da onda de violência, bandidos detonaram explosivos em uma ponte da BR-116 na Grande Fortaleza e incendiaram veículos em duas cidades.

Trecho da BR-116 na Grande Fortaleza onde explosivos foram detonados durante a madrugada deste domingo, 13 — Foto: Rafaela  Duarte/G1 Trecho da BR-116 na Grande Fortaleza onde explosivos foram detonados durante a madrugada deste domingo, 13 — Foto: Rafaela  Duarte/G1

Trecho da BR-116 na Grande Fortaleza onde explosivos foram detonados durante a madrugada deste domingo, 13 — Foto: Rafaela Duarte/G1

A ponte sobre o Rio Choró, na cidade de Chorozinho, foi interditada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nesta madrugada, após a detonação de explosivos na parte inferior da estrutura. Ainda não há informação sobre a dimensão do dano causado à ponte, conforme a PRF.

Motoristas que trafegam entre as cidades de Fortaleza e Chorozinho devem fazer a rota pela cidade de Horizonte.

Explosivos foram detonados na estrutura da ponte sobre o Rio Choró, na Grande Fortaleza. — Foto: Arquivo pessoal Explosivos foram detonados na estrutura da ponte sobre o Rio Choró, na Grande Fortaleza. — Foto: Arquivo pessoal

Explosivos foram detonados na estrutura da ponte sobre o Rio Choró, na Grande Fortaleza. — Foto: Arquivo pessoal

Pessoas que moram próximo ao local, na entrada da cidade, relataram um “tremor” com o impacto da detonação. “Estremeceu até a janela daqui de casa, parecia um tremor de terra. Foi um estrondo muito grande”, afirmou um morador da região, que não quer se identificar. A casa dele ficou com ranhuras nas paredes após a explosão.

Os crimes ocorreram após a apreensão de cerca de cinco toneladas de explosivos no Bairro Jangurussu, na periferia de Fortaleza, na tarde de sábado (12).

Veículo é incendiado em Umirim, no interior do Ceará, em ataque coordenado por facções criminosas. — Foto: Arquivo pessoal Veículo é incendiado em Umirim, no interior do Ceará, em ataque coordenado por facções criminosas. — Foto: Arquivo pessoal

Veículo é incendiado em Umirim, no interior do Ceará, em ataque coordenado por facções criminosas. — Foto: Arquivo pessoal

Segundo a Polícia Civil, membros de uma facção criminosa presa no depósito forneciam o material explosivo utilizado nos crimes.

Entre a noite de sábado e a madrugada deste domingo também foram incendiados carros particulares em Umirim, no interior do estado, e em Fortaleza, no Bairro Siqueira.

A onda de violência começou em 2 de janeiro, um dia após Mauro Albuquerque tomar posse do cargo de secretário da Administração Penitenciária, pasta criada no segundo mandato de Camilo Santana.

Mauro Albuquerque fez operações para apreender celulares nos presídios e prometeu acabar com a divisão de presos conforme a facção criminosa a que pertencem. Os ataques são uma tentativa de fazer com que o governo desista das ações. O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que “não há recuo”.

Nos 12 dias de crimes, foram 198 ações violentas em 43 municípios; 330 suspeitos foram presos, conforme a Secretaria da Segurança do Ceará.

O Ministério da Justiça confirmou também a transferência, para presídios federais, de 35 chefes de facção que ordenavam os ataques.

Medidas da Assembleia contra os ataques

Na noite de sábado (12), em sessão extraordinária durante o recesso parlamentar, os deputados estaduais aprovaram um pacote de medidas na tentativa de fortalecer o combate às facções criminosas.

Estiveram presentes 36 dos 46 deputados estaduais do Ceará. O governador Camilo Santana prometeu assinar o pacote neste domingo e publicar em edição extra do Diário Oficial do Estado.

As medidas aprovadas por aclamação na Assembleia são:

  • Lei da Recompensa, que paga em dinheiro quem denunciar autores de ataques ou fornecer informações que possam prevenir crimes;
  • Retirada das tomadas em celas de presídios, para evitar que criminosos possam usar carregadores de celular;
  • Aumento de 48 para 84 o máximo de horas extras que policiais civis, militares e bombeiros podem fazer por mês;
  • Convocação de policiais da reserva para aumentar o efetivo nas ruas;
  • Criação de um banco de informações sobre veículos destruídos na onda de ataques;
  • Restrição da presença de pessoas no entorno dos presídios, com objetivo de evitar fugas;
  • Criação do Fundo de Segurança Pública, que terá reserva para investir na prevenção de crimes e pagar beneficiados da Lei da Recompensa;
  • Regularização do comando de tropas de policiais militares cedidas por outros estados (o que na prática já está acontecendo com agentes cedidos pelos governos de Bahia, Piauí, Santa Catarina e Pernambuco).

Entenda o que está acontecendo no Ceará


Click aqui para acessar a notícia original


Veja também...

A época em que o Brasil barrou milhares de judeus que fugiam do nazismo

Em julho de 1938, o cônsul do Brasil em Budapeste (Hungria), Mário Moreira da Silva, …

Mano Menezes mudará até 70% da equipe do Cruzeiro para segundo jogo no Mineiro – Superesportes

Sass ser titular contra o Patrocinense na quarta-feira e estar acompanhado de outras novidades O …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *