Início / Conteúdo / Caixa reduz taxa mínima de juros no SFI de 9,50% para 8,75%

Caixa reduz taxa mínima de juros no SFI de 9,50% para 8,75%

SÃO PAULO  –  O presidente da Caixa Econômica Federal, Nelson Antônio de Souza, afirmou que o banco vai reduzir a taxa mínima do financiamento para o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) para 8,75% a partir do dia 24, para imóveis até R$ 1,5 milhão. Antes a taxa era de 9,50%. A taxa máxima caiu de 11% para 10,25%. Ele também comentou que a partir da próxima semana todas as agências e correspondentes vão passar a realizar serviços de avaliação de imóveis.

Segundo a Caixa, a redução das taxas de juros facilita o acesso à casa própria e antecipa as condições da Resolução nº 4.676/18 do Conselho Monetário Nacional (CMN). “As mudanças propostas pelo governo significam novas oportunidades para o setor imobiliário. O objetivo é melhorar as condições de financiamento para nossos clientes em todo país e continuar fomentando a retomada de investimentos do setor da construção civil”, afirmou Souza.

Para o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) as taxas mínimas já haviam sido reduzidas para 8,75% em agosto. Estão enquandrados nesse sistema os imóveis residenciais de até R$ 800 mil, para todo país, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de R$ 950 mil. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI. Em 2018, a Caixa possui R$ 85 bilhões disponíveis para o crédito habitacional. 

Ao participar de evento promovido pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), em São Paulo, o presidente da Caixa comentou ainda que a aprovação do cadastro positivo acrescentaria 22 milhões de pessoas ao mercado de crédito e disse acreditar que o projeto que muda as regras de distrato pode ser aprovado ainda este ano pelo Congresso.

Ele afirmou ainda ser positivo o fato de bancos privados terem ultrapassado a instituição estatal em termos de originação de financiamentos imobiliários em 2018. “Estamos deixando os bancos privados emprestarem mais do que a Caixa no setor imobiliário. Isso é bom, é bom para a economia do país, pois tem de haver uma irrigação [de recursos] na economia de maneira perene”.

Conforme o executivo, o banco “tem procurado fazer o dever de casa do ponto de vista de definir um capital e trabalhar com ponderação de risco, além de ter ido buscar uma solução para a falta de capital vista no ano passado e no primeiro trimestre, para manter a carteira de crédito imobiliário”.

Souza destacou como desafios que ainda permanecem para o setor a importância de reforçar a segurança jurídica e de contar com fontes de recursos para o crédito sem interrupção, para manter uma retomada sustentável.

Já o presidente do Bradesco, Octavio Lazari, ressaltou que o número de desempregados no país é maior do que o mostrado pelas estatísticas, o que é demonstrado pelo elevado volume de pessoas com restrições nos órgãos de proteção ao crédito. “Se tem um setor capaz de melhorar isso é o de construção civil. O mercado como um todo desembolsou R$ 30 bilhões em crédito imobiliário este ano, sendo R$ 6 bilhões para pessoa jurídica e R$ 24 bilhões para pessoa física”, comentou.


Post original click aqui.


Veja também...

Mãe que viu filho morrer em assalto está em estado de choque

Um jovem de 22 anos morreu baleado no pescoço, na noite de terça-feira (15), ao …

Space Force | Steve Carell vai estrelar nova série do criador de The Office – Omelete

A Netflix divulgou o teaser de anúncio de Space Force, sua nova série que vai …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *